13
set

A formação do apicultor.

publicado no Caderno 4.

     Sete países receberam o mel cearense em 2011. Estados Unidos foi o principal mercado comprador, recebendo mais de 77% de todo o produto exportado. Os dados são do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE). 

A formação do apicultor merece tempo e dedicação, mas os ganhos são importantes: o mel exportado pelos produtores do Ceará significa mais de R$ 25 milhões arrecadados por ano.

          Popularmente, sabe-se que ninguém encheu vários frascos do doce elixir sem ter levado um ferrão de abelha. Então, o ideal é saber como atuar e proceder junto ao setor da apicultura profissional, que cresce a cada ano no Ceará. Virar apicultor é árduo. É fundamental estudar a complexidade da abelha e do setor.

PRIMEIRO PASSO

           O amante da apicultura deve primeiro perguntar-se se deseja trabalhar para uma companhia, ou se está pronto para começar seu próprio empreendimento. O Banco do Nordeste faz parcerias em variadas atividades econômicas que objetivam o desenvolvimento regional.

               Já para a capacitação, existem diversas unidades de ensino na Capital e interior, que podem garantir a assistência necessária aos interessados. Como os Centros de Ensino Tecnológicos (Centec) e Centros Vocacionais Tecnológicos (CVT’S). Ou ainda o Instituto Agropolos do Ceará e o Instituto Federal do Ceará (IFCE). Além das secretarias municipais de agricultura que devem fornecer ao solicitante a informação necessária sobre cursos, capacitações e oportunidades.

ENTENDA E RECOLHA MEL

                  A apicultura é uma atividade antiga. Suas origens estão na pré-história. O apicultor é aquele que se encarrega de cultivar os produtos proporcionados pelas abelhas dentro das colmeias confeccionadas. Antigamente, esses equipamentos se resumiam a simples troncos ocos ou cestos de vime. Hoje são utilizados diferentes tipos de caixas, bem práticas e fáceis de manejar.

               O apicultor tem o dever de saber qual é o melhor momento para colher o mel e qual é a quantidade certa a extrair para que não haja prejuízo. Nesse contexto, a formação de apicultores está em alta. Existem diversos cursos ofertados não só na capital, mas também em municípios do interior.

SERVIÇO:
Instituto Agrópolos.
Tel.: (85) 3101-1670. Site: www.institutoagropolos.org.br.
Instituto Federal do Ceará (IFCE). Tel.: (85) 3401.2300. Site: www.ifce.edu.br.

A abelha é um fator produtivo e natural a ser rigorosamente estudado pelo apicultor profissional. Os climas do Ceará propiciam a criação de abelhas em grandes quantidades.

NECESSIDADE DE FORMAÇÃO

     José Xavier Leal Neto, apicultor e uma das lideranças do setor no Ceará, chama a atenção para um dos problemas que aflige atualmente o mercado da apicultura. José Xavier, que é presidente da União Nordestina de Apicultores e Meliponicultores (Unamel), destaca a falta de mão de obra capacitada. “Precisamos de incentivos para a educação profissional. Não existem muitos cursos e, como não é uma atividade considerada tradicional no nosso Estado, temos grandes dificuldades”, afirma.

     O apicultor explica que essa não é uma atividade complicada nem difícil de aprender, pelo contrário, 90% da produção do Ceará provem da agricultura familiar. “Pequenos apicultores ganham destaque, não é difícil trabalhar disso. Mas temos insuficiência na assistência técnica. Portanto, a qualificação é importantíssima, uma vez que novas técnicas são descobertas a cada dia”, destaca.