20
set

Elas no mercado de trabalho.

publicado no Caderno 5

        De acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego, o número de mulheres contratadas em importantes atividades econômicas do Brasil, continua em expansão.

As trabalhadoras acompanham as demandas do mercado. Hoje há pedreiras, marceneiras, tratoristas e muito mais.

       Nos últimos anos, o preenchimento feminino de postos se destaca em vastos segmentos do trabalho: um levantamento recente do Ministério expõe que, entre 2006 e 2010, as mulheres demonstraram relevância em carteiras como as de Administração Pública, Defesa e Seguridade Social.

      Em busca de se destacar num panorama competitivo, as profissionais vêm se adequando notadamente às exigências das estruturas de trabalho, em áreas diversificadas. Segundo empresas de recursos humanos, as áreas que mais contratam pessoal feminino são o setor de comércio e o de serviços; isto pela habilidade feminina de lidar com o público, pessoalmente ou por telefone.

     Existem áreas com as quais historicamente as mulheres se identificam (enfermagem, farmácia, secretariado executivo, nutrição, massoterapia, estética e segurança no trabalho); assim mesmo, tarefas dentro de diferentes indústrias que demandam “trabalho pesado”, são comandadas cada vez mais por expertas.

HORIZONTE

         Prometendo empregabilidade rápida e capacitação, alguns cursos que foram eminentemente masculinos estão sendo a escolha das trabalhadoras. O de construção civil é um exemplo deste fenômeno. Nele podem ser vistas mulheres se qualificando como técnicos em edificações, carreira na qual os profissionais devem elaborar estudos, medições e análises para várias etapas construtivas.

        A aposta também vale para o setor têxtil. No início do século XX, as mulheres eram maioria na classe operária têxtil, chegando a ocupar 90% dos postos. Atualmente, esse mercado mudou para atender demandas mais complexas e tecnológicas, mantendo predominância de mulheres empregada.


COM SABOR A TRIUNFO

       Fernanda Mendes soube desde cedo “o que queria ser quando crescer”. “Tanto é que o meu primeiro livro de receitas eu pedi aos oito anos de idade”, expressa. Aos 19 anos Fernanda entrou para a primeira turma do curso técnico de gastronomia do Instituto Centro de Ensino Tecnológico (Centec), no Crato.

Para a professora de gastronomia Fernanda Mendes Oliveira, os cursos de capacitação foram moldando sua paixão pela culinária, e lhe permitiram abrir seu caminho dentro do mercado.

         Durante o curso, a sua vocação foi tomando forma. Aprendeu técnicas, descobriu novas formas de cozinhar, desenvolveu habilidades e aperfeiçoou talentos. Depois de dois anos e meio de capacitação, ela começou a trabalhar no setor. Sendo seu desejo o de lecionar, a jovem se inscreveu para a seleção de professores do curso de gastronomia do Senac. Há três anos Fernanda Mendes faz parte do quadro de funcionários desta instituição no Cariri, onde nasceu e começou sua paixão.

        Hoje Fernanda ressalta que o curso técnico a fez crescer profissionalmente, além de inseri-la no mercado. “Se você quer trabalhar logo o curso técnico é uma boa opção”, ressalta. “Temos inovações no mundo da gastronomia todos os dias. São muitos produtos diferentes e novas técnicas. O importante é buscar sempre qualificação”, afirma. Fernanda oferece o conselho mais significativo para ela: “Só entre nesse mercado escolhido, se você o amar”, conclui.

SERVIÇO:
SENAC-Crato.
Praça da Sé, 596, Crato – CE. Tel.: (88) 3513.1990. CENTEC – CRATO: Tel.: (85) 3066.7000. E-mail: fatec_cariri@centec.org.br.